Este não é um site oficial d'A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
Participem enviando notícias pelo e-mail murilovisck@yahoo.com.br

terça-feira, 6 de março de 2012

Caio Blinder, Colunista da VEJA, Fala Sobre o Mórmon Yeah Samake, Candidato à Presidência de Mali - Africa

Mais Um Candidato a Presidente Mórmon? 
Caio Blinder, Colunista da Revista Veja, Fala Sobre Yeah Samake, Candidato em Mali - Africa

Por Caio Blinder
Mitt Romney primeiro precisa vencer as primárias republicanas e depois derrotar o democrata Barack Obama em novembro para se converter no primeiro mórmon na presidência americana. Muitos obstáculos pela frente. E na corrida dos mórmons, Romney provavelmente perderá para Yeah Samaké. Ele caminha para vencer as eleições presidenciais de abril no Mali - o desolado e miserável país na África Ocidental - e assim se tornar o primeiro chefe de estado mórmon no mundo.

Como Romney, Samaké tem uma família bonita e experiência, tanto na vida privada, como pública. Ele é prefeito de Ouéléssébougou uma cidade com 35 mil habitantes e sua campanha de anticorrupção é considerada um modelo. Samaké está em uma condição inusitada. Ele é mórmon num país cuja população é 90% muçulmana e segue uma religião que até recentemente considerava os negros espiritualmente inferiores (Nota Oficial da Igreja: "A posição da Igreja é clara: nós acreditamos que todas as pessoas são filhos de Deus e são iguais aos seus olhos e na Igreja. Nós não toleramos o racismo de qualquer forma. A Igreja sempre condenou o racismo. Veja a declaração clicando aquiComo explicar esta jornada improvável?

Nos anos 80, Samaké entrou em contato com uma organização de Utah (o estado dos mórmons nos EUA) que fez parceria com empreendedores em Mali para melhorar as perspectivas de saúde, educação e da economia no país. A ética de trabalho e a devoção comunitária de Samaké impressionaram um casal mórmon, que patrocinou a ida dele para os EUA. Samaké se converteu em Nova York no ano 2000 e depois foi estudar na Brigham Young University, em Salt Lake City (Utah). Lá, Samaké obteve um mestrado em administração pública, apaixonou-se por uma estudante da Índia, que também se converteu ao mormonismo. Em 2004, ele criou uma fundação dedicada a construir escolas e treinar professores no Mali.

Os frutos do trabalho de Samaké comprovam os esforços da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (mórmon) para realizar trabalho missionário e humanitário na África, um continente que ela basicamente passava ao largo até os anos 70. Romney, por exemplo, fez trabalho missionário na França no final da década de 60. Samaké garante que temas como corrupção, pobreza e segurança são mais importantes para os eleitores de Mali do que sua identidade mórmon. Aliás, a população pouco sabe sobre a religião e em geral se refere a Samaké como um “cristão”.

Eu não vou a meter a entendedor da vida em Mali, mas será que os habitantes daquele remoto país africano estão mais maduros para aceitar um presidente mórmon do que tantos eleitores americanos?

Nota: A Igreja SUD é neutra politicamente, entretanto incentiva seus membros a participarem politicamente como cidadãos ativos em seus respectivos países. 


4 comentários:

  1. Para o caso de vir a ser eleito Yeah Samaké não será o primeiro chefe de estado mórmon, mas sim o primeiro mórmon, chefe de estado, o que é bem diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Justamente Dr. Rui!!! A Igreja é neutra politicamente...

      Excluir
  2. É claro que isto só acontece porque o nosso irmão Murilo não se candidatou à presidência do Brasil, porque senão seria ele o primeiro mórmon presidente, ou será que alguém tem dúvidas?...

    ResponderExcluir
  3. Eu do Brasil e Vossa Excelência em Portugal! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails